Busca no site 

 
 Quem somos
 Consultoria
 Conteúdo
 Camarote
 Assinatura
gratuita
   Escolha seu tipo de busca:
  
  Busca avançada
Jornalistas e
cientistas
Perguntas
freqüentes
Irreverência
Privacidade
Conteúdo
Anuncie
Assinatura
gratuita
 
Administração e contabilidade: Rodrigues & Associados. Realização: Baú de Idéias Jornalismo. Agência de Notícias Prometeu®. Todos os direitos reservados.
Agência de Notícias Prometeu

08/05/2003
Músicas com letras violentas acentuam pensamentos violentos. Estudo questiona teoria de que elas possam criar catarse aliviando agressividade


A violência na mídia é um tema que tem merecido constantes estudos que se preocupam em verificar seus impactos no comportamento humano. Uma das teorias em questão é a de que a exposição à violência na mídia causa catarse, fazendo com que pessoas expostas a ela tenham uma válvula de escape para sua agressividade. Mas um estudo publicado na edição de maio da revista Journal of Personality and Social Psychology contraria essa tese, afirmando que a exposição à mídia (no caso a músicas com letras violentas) acentuam pensamentos violentos no curto prazo e, acreditam os autores, tenham efeitos prolongados junto às pessoas.

Pesquisadores da Universidade Estadual de Iowa (EUA) fizeram cinco experiência com mais de 500 estudantes universitários, expondo-os a diferentes músicas de estilos como heavy metal e rap, de grupos como Beastie Boys, Cypress Hill e Run DMC. Logo depois de ouvir as músicas, os estudantes foram submetidos a vários testes psicológicos, entre eles alguns que pediam para estabelecer relações entre idéias diferentes. Verificou-se que os que ouviram músicas com conteúdo violento relacionavam diversas palavras neutras (animal, por exemplo) com imagens violentas. Os que ouviram músicas de ritmos semelhantes mas sem letras de conteúdo violento tendiam menos a fazer esse tipo de relação. Pediu-se também que os alunos completassem fragmentos de palavras, e os que ouviram letras violentas tendiam a preferir termos agressivos. Por exemplo: ao completar os fragmentos H_T, eles preferiam termos como HIT (pancada) em vez de HAT (chapéu), ao contrário dos que não ouviram músicas violentas

Os estudantes foram separados por grupos, sendo que grupos diferentes ouviram músicas do mesmo artista e com ritmos semelhantes, mas alguns contendo letras violentas e outros não. Isso foi feito para verificar se a influência no comportamento violento refere-se ao estilo musical, ao artista ou à letra, e constatou-se que a letra é um diferencial que influi no comportamento violento, já que os demais grupos não demonstraram a mesma tendência agressiva.

A pesquisa foi feita por Craig A. Anderson e Nicholas L. Carnagey, de Iowa, e por Janie Eubanks, do Texas Department of Human Services (EUA).



Veja também:


Resumo do estudo na revista
Divulgação do estudo pela New Scientist

Palavras-chave:
Violência, agressividade, adolescência, mídia, TV, música, televisão

 

Agência de Notícias Prometeu ©. Todos os direitos reservados.

Princípios à mesa
Para não perder a identidade, o paulista pode comer sua história. Literalmente.
Leia a resenha

O fetiche visto por um subversivo Bruno Latour encontra o fetiche na sociedade "moderna", inclusive nos laboratórios. E alerta para o uso que fazem dele (Editora Edusc).
Leia a resenha

O Atleta e o Mito do Herói. O esporte nos oferece uma excelente análise para se entender as mitologias modernas e como a mídia pode interferir nelas (Casa do Psicólogo).
Leia a resenha

Revelações e mágoas de um pouso nem tão suave na democracia. Num belo exemplo de história oral, o dia em que Maluf balançou as forças armadas e muitos outros bastidores apetitosos (Editora FGV).
Leia a resenha

Manual de Radiojornalis- mo. Produção, ética e internet
O livro deixa de lado o cinismo para falar de ética. Reconhe- ce até a inexistência da imparcialidade (Campus).
Leia a resenha